Dissertation Writing service Buy Dissertation Online essay writing service cheap essay writing Dezembro Vermelho: alerta para Prevenção das ISTs e AIDS | Portal SUGEP

Dezembro Vermelho: alerta para Prevenção das ISTs e AIDS

Texto elaborado por: Marina Mendes (Odontóloga), Luana Amaral (Psicóloga) e Rivonylda Costa (Assistente Social – Diretora do DQV).

As infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) são consideradas um problema de saúde pública e estão entre as patologias transmissíveis mais comuns, afetando a saúde e a vida das pessoas em todo o mundo. As ISTs têm um impacto direto sobre a saúde reprodutiva e infantil, porquanto acarretam infertilidade e complicações na gravidez e no parto, além de causar morte fetal e agravos à saúde da criança.

A terminologia IST passou a ser adotadas em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas. O controle das IST não ocorre somente com o tratamento de quem busca ajuda nos serviços de saúde. Para interromper a transmissão dessas infecções e evitar a reinfecção, é fundamental que as parcerias também sejam testadas e tratadas, com orientação de um profissional de saúde.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2019) todos os dias ocorrem 1 milhão de novas infecções. Doenças antigas, que remontam à Idade Média, como a Sífilis, por exemplo, ainda pode ser considerada uma epidemia. O Brasil acompanha tal tendência, segundo dados do Ministério da Saúde (Brasil, 2019), a sífilis é o caso mais gritante: foram 158 mil notificações da doença em 2018, levando a uma taxa de 75,8 casos para cada 100 mil habitantes. Outra questão importante é que as ISTs aumentam em até 18 vezes a chance de uma pessoa ser infectada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV).

A campanha Dezembro Vermelho tem como objetivo chamar atenção para as medidas de prevenção, assistência e proteção e promoção dos direitos das pessoas infectadas com o HIV.  O período foi escolhido em razão do Dia Mundial de luta contra a AIDS, celebrado em 1º de dezembro.

O Brasil conseguiu evitar 2,5 mil mortes por AIDS entre os anos de 2014 e 2018. Os dados são positivos, no entanto, o Ministério da Saúde acredita que 135 mil pessoas vivem com HIV no Brasil e não sabem. No estado de Pernambuco, de julho de 2014 a dezembro de 2017, foram notificados 8.126 casos de HIV. Em 2017, identificou-se um incremento de 21,32% dos casos, quando estes chegaram a 2.697, e de 19,68% na taxa (28,47/ 100 mil/hab.) (SES/PE, 2018).

O foco da mobilização é incentivar pessoas que não se preveniram a procurar uma unidade de saúde e realizar o teste rápido. Com o tratamento adequado, o vírus HIV fica indetectável, ou seja, não pode ser transmitido por relação sexual, e a pessoa não irá desenvolver AIDS.

A infecção por HIV cresce mais entre os jovens, na faixa etária de 20 a 34 anos. A maior concentração de casos de AIDS também está entre pessoas de 25 a 39 anos, de ambos os sexos, com 492,8 mil registros. Os casos nessa faixa etária correspondem a 52,4% no sexo masculino e, entre as mulheres, 48,4% do total de casos registrados.

 

Transmissão vertical do HIV

O maior número de gestantes infectadas com HIV (27,8%) está entre jovens de 20 a 24 anos. A eliminação da transmissão vertical do HIV, assim como a redução da sífilis e da hepatite B, é uma das prioridades do Ministério da Saúde. A certificação possibilita a verificação da qualidade da assistência ao pré-natal, do parto, puerpério e acompanhamento da criança e do fortalecimento das intervenções preventivas.

 

Prevenção ao preconceito, camisinha sempre!

 A discriminação e o preconceito são gatilhos para as pessoas não se cuidarem e adoecerem mais rápido por medo do abandono e da morte civil. Precisamos nos proteger do vírus, e não das pessoas. Pessoas com HIV e com AIDS, com os tratamentos disponíveis hoje, continuam estudando, trabalhando, constituindo família, realizando sonhos.

É fundamental orientá-las sobre a prevenção da transmissão e de novas infecções, assim como sobre os sinais e sintomas, a necessidade de atendimento em uma unidade de saúde e a importância de evitar contato sexual até que a parceria seja tratada e orientada.

Um desafio essencial é pensar a doença no contexto atual de conservadorismo. A pauperização e interiorização da doença dificultam o acesso à saúde, em parte por causa do diagnóstico tardio. Por isso as últimas campanhas enfatizam a realização do exame, com o teste rápido.  O atendimento e o tratamento são gratuitos nas unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Em Pernambuco, a Secretaria Estadual de Saúde (SES/PE), coordenações municipais e entidades da sociedade civil organizada estão mobilizadas para realização das atividades em consonância com os princípios do SUS, promoção dos direitos humanos, combate à discriminação e ao preconceito de gênero, raça, cor ou orientação sexual.

O Departamento de Qualidade de Vida (DQV) da UFRPE, em articulação interinstitucional com a SES/PE, elaborou para campanha dezembro vermelho uma agenda de atividades com informações e orientação à comunidade acadêmica, sobre a prevenção e tratamento das IST AIDS, conforme cronograma anexo.

O DQV oferece orientações e testagem para HIV, Sífilis e Hepatites durante todo o ano. Não sinta vergonha de conversar com o profissional de saúde. Faça perguntas, esclareça as dúvidas. Participem!

 

Referências bibliográficas

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente e Transmissíveis – DCCI. Boletim Epidemiológico Especial. HIV/AIDS | 2019. Ministério da Saúde; dezembro, 2019. 72p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Dia mundial de luta contra a AIDS, 2019. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/ministerio-da-saude-lanca-campanha-para-comemorar-dia-mundial-de-luta-contra-aids.  Acesso em: 27 de novembro de 2019.

Pernambuco. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES/PE). Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde. Programa Estadual de Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS, 2018. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco;dezembro, 2018.Disponível em: http://portal.saude.pe.gov.br/programa/programa-estadual-de-infeccoes-sexualmente-transmissiveis. Acesso em: 02 de dezembro de 2019.

Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). UNAIDS e parceiros lançam campanha que incentiva diálogo aberto sobre HIV e prevenção entre profissionais de saúde e jovens, 2019. Disponível em: https://unaids.org.br/2019/11/unaids-e-parceiros-lancam-campanha-que-incentiva-dialogo-aberto-sobre-hiv-e-prevencao-entre-profissionais-de-saude-e-jovens/. Acesso em: 29 de novembro de 2019.